Apontamentos sobre a criação do brasão do Município de Barbacena

A Constituição Federal prevê que “são símbolos da República Federativa do Brasil a bandeira, o hino, as armas e o selo nacionais” (Art. 13, §1º). A norma constitucional não detalha os desenhos e nem indica a expressão do que estes seriam na forma da lei.

Os constituintes que participaram da Assembleia Nacional de 1987 tinham tamanha certeza de que a bandeira não poderia ser outra senão aquela que vem sendo mantida com ligeiras modificações desde os primeiros dias da República (Decreto nº 4, de 19 de novembro de 1889), que entenderam por desnecessário descrevê-la na Constituição. Inclusive o projeto original continha a expressão “adotados na data da promulgação desta Constituição”, suprimida por ser “sinal evidente de que modificações ele pretende fazer ainda neste período até que seja promulgada a nova Constituição”.[1]

Vale lembrar que nem mesmo com a mudança de regime em 1889 foi abandonada a tradição das antigas cores nacionais – verde e amarelo – que continuaram sendo dispostas de forma semelhante àquela concebida por Debret em 1822.

Da mesma forma, a Lei Orgânica do Município de Barbacena previu que seriam símbolos municipais “a bandeira e o hino, representativos de sua cultura e história, designados por lei” (Art. 15), sem dar detalhes. Designar é sinônimo de representar, significar, simbolizar. Da expressão “designados por lei” deve ser interpretado que a bandeira e o hino então existentes foram ali elevados a cláusula pétrea, tanto mais ainda porque não se trata de um novo município e sua história não é recente. Se outra fosse a intenção do legislador, a Lei Orgânica traria outras expressões, tais como “a serem designados por lei” ou “na forma da lei”.

Vale lembrar que a utilização do braço de Tiradentes como símbolo do Município de Barbacena remonta ao início da República (Lei Municipal nº 22, de 17 de janeiro de 1893)[2]. Seu uso foi suprimido no Estado Novo (Constituição de 1937, Artigo 2º. “A bandeira, o hino, o escudo e as armas nacionais são de uso obrigatório em todo o País. Não haverá outras bandeiras, hinos, escudos e armas. A lei regulará o uso dos símbolos nacionais”), mas a proibição durou pouco.

 

Com o advento de uma nova constituição em 1946, este dispositivo estranho à tradição jurídico luso-brasileira, a qual sempre respeitou as autonomias municipais, não foi repetido. O Dr. Anuar Fares, então vereador, apresentou projeto de lei que restabelecia as antigas armas do Município de Barbacena (Lei nº 13, de 22 de março de 1948[3], alterada pela Lei 671, de 30 de março de 1960 e finalmente pela Lei 1.703, de 12 de maio de 1980).

A Constituição Federal e as leis não encerram nem esgotam o Direito. “Direito não é só norma, como quer Kelsen, Direito não é só fato como rezam os marxistas ou os economistas do Direito, porque Direito não é economia. Direito não é produção econômica, mas envolve a produção econômica e nela interfere; o Direito não é principalmente valor, como pensam os adeptos do Direito Natural tomista, por exemplo, porque o Direito ao mesmo tempo é norma, é fato e é valor”[4].

O direito, como expressão cultural, não pode e nem deve estar alheio à tradição. Veja-se, por exemplo, as próprias regras de heráldica. Não há lei alguma que as defina no Brasil. Sequer há algum documento oficial reconhecendo este ou aquele tratado como fonte válida.

Diga-se de passagem, que tais regras não são uniformes, pois enquanto há quem defenda que “na heráldica, só é permitido o uso de corpo inteiro, à figura de Jesus Cristo e às dos santos[5], não é estranho na tradição brasileira a utilização de um braço, valendo citar como exemplo o brasão da Cidade de São Paulo, projetado pelo poeta Guilherme de Almeida e desenhado pelo pintor José Wasth Rodrigues, ambos profundos estudiosos da Arte Heráldica.

Clovis Ribeiro, que era amigo de ambos, em sua clássica obra Brasões e Bandeiras do Brasil publicada em 1933, comenta que “na impossibilidade material de representar dentro dos limites restritos de um brasão toda a história da cidade, o autor teve a feliz inspiração de adotar o único emblema capaz de resumir de uma forma eloquente toda a história de seu povo o símbolo do bandeirante” (p. 200). Como a importância do símbolo de Barbacena não se restringe somente à memória local, este mesmo autor dedicou mais de uma página, observando ainda que o símbolo de nossa cidade não estava inteiramente de acordo com a descrição da lei (p. 255), pois não havia um dedo indicando para o futuro. Foi então trazida uma interpretação de Wasth Rodrigues à lei.

brasoes-barbacena

 

(A fig. 1 traz o brasão que estava sendo utilizado pelo Município de Barbacena por ocasião da publicação da obra e a fig. 2 é a sugestão de Wasth Rodrigues)

 

Em que pese Tiradentes ter sido mitificado pela República que necessitava de um herói, não há como negar que os ideais da Inconfidência tenham moldado o espírito das sucessivas gerações de mineiros, que têm no vermelho do triângulo da bandeira de Minas Gerais a lembrança do sangue derramado na luta contra os abusos do Estado.

Muito já foi escrito a respeito de Tiradentes, sendo dispensável sua apresentação, porém, pela raridade da obra, vale reproduzir um excerto de “O Padre Manoel Rodrigues Inconfidente” de Alexandre Miranda Delgado (edição do autor, Juiz de Fora, 1963, p. 22):

 

“O Vigário de Barbacena, Padre Joaquim Camilo de Brito, revolucionário de 1842, que conviveu cinco anos Manuel Rodrigues (nota: padre dono da Fazenda do Registro Velho), escreveu em “O Movimento”, editado em Ouro Preto em 1899, o seguinte depoimento transcrito pelo Cônego Raimundo Trindade em “Arquidiocese de Mariana”:

Gonzaga era estranho ao plano do levante. Maciel o impulsava assegurando aos insurretos auxílio da União Norte Americana, mas sua ação limitava-se ao círculo dos iniciados no segredo.

A alma do movimento, o Leônidas que preparava a elite dos novos espartanos para este grande cometimento, era o alferes do corpo militar da cavalaria mineira, Joaquim José da Silva Xavier. Ele era o único propagandista da ideia na província e fora dela, para o que davam-lhe facilidade as frequentes viagens que fazia nela e à corte, em giro de arrecadação de tributos, por designação de seu comandante Francisco de Paula Freire de Andrade em comunidade de ideias políticas com ele; comissão que seja dito de passagem executava corretamente e com rigorosa honestidade. Não era, porém, de figura antipática como fizeram crer ao nosso historiador.

O Cônego Rodrigues da Costa que o conhecia presencialmente e em cuja vivenda hospedava ele em suas viagens ao Rio de Janeiro, reiteradas vezes disse-me que o Xavier (assim tratava ele) era um rapaz simpático e posto que não houvesse afinidade entre a farda e a sotaina era-lhe sempre agradável a sua presença. O defeito que notava-lhe era de outra ordem, a temeridade, que embalde tentou refrear, ponderando-lhe suas perigosas consequências; as suas observações respondia sempre com ar de plena segurança: – “Não há de ser nada; Deus está conosco”.

 

Ainda que Tiradentes não seja natural de Barbacena, seu braço homenageia não só a sua pessoa, mas a todos os inconfidentes que por aqui nasceram e residiram. Parece-me inclusive que nossa cidade é que concentra o maior número de inconfidentes. Mas há outros fatos memoráveis que ligam o Alferes a nossa cidade. Foi ele quem trouxe mais paz e segurança a estas paragens, sendo um dos responsáveis por desbaratar a famosa quadrilha da Mantiqueira, chefiada pelo bandido “Montanha”[6], que salteava em local próximo à Borda do Campo, trilha que até hoje é conhecida como “Mata Vinte”.

As leis não têm força para alterar a tradição. O antigo arraial de Bichinho (um dos mais antigos de Minas segundo Waldemar Barros) nunca deixou de ser conhecido por seu nome original, apesar de sua denominação oficial ser Vitoriano Veloso “desde o século XIX, aproximadamente em 1894[7]. Remédios – que foi distrito de Barbacena e assim conhecido desde o início de sua ocupação no último quartel do Séc. XVIII[8] – não deixou de ser assim chamado, apesar de um decreto-lei de 1943 que vigorou por dez anos ter disposto ao contrário, criando o artificial nome de Angoritaba (aldeia das almas felizes em tupi). São lamentáveis divergências do Brasil Oficial contra o Brasil Real.

Percebe-se que há certas cláusulas pétreas não escritas que se encontram tão arraigadas no espírito humano, que nem mesmo o Constituinte Originário tem o poder de alterá-las, e dentre elas se compreendem os símbolos dos entes públicos.[9]

Ao se acrescentar à Lei Orgânica do Município de Barbacena dispositivo que permita a criação de um brasão como símbolo, isto não confere ao legislador ordinário ampla liberdade para fazê-lo como bem entender.

Da jurisprudência pátria há pelo menos um precedente. O Tribunal de Justiça de São Paulo, sensível à ideia de que não se pode alterar uma bandeira por lei ordinária “ao sabor da preferência pessoal dos transitórios ocupantes do poder local sob pena de lesão ao patrimônio cultural[10], decretou a nulidade da mudança da cor da bandeira do município de Marília.

Um brasão deve estar em consonância com a bandeira. Os símbolos de um antigo ente público constituem verdadeiras cláusulas pétreas não escritas. Vale dizer, a linguagem da heráldica fala às gerações. O valor fundamental de um símbolo deriva acima de tudo do sentimento que os nossos ancestrais lhe tributavam. Justifica-se sua alteração apenas se houver profundas modificações no seio social, no caso, uma revolução cultural que dê novos significados à Conjuração Mineira, o que atualmente não encontra eco, pois diverge completamente do sentimento do povo em relação ao símbolo que vem representando o Município de Barbacena há mais de um século.

Percebe-se pelos comentários na rede social Facebook que predomina uma indignação generalizada a respeito da votação sem qualquer valor jurídico divulgada na página oficial da Prefeitura. Não houve quem apoiasse em público a mudança. Dentre os diversos comentários e outras postagens em perfis pessoais, Paulo Maia Lopes observou que “gerações de intelectuais de vulto se sucederam entre nossa gente, e em nenhum momento foi contestada a propriedade e adequação histórica ou artística do símbolo anterior. Certamente temos agora uma safra mais iluminada, e não estávamos sabendo disso…”[11]

Não há o menor sentido lógico em se criar um brasão semanticamente dissociado da bandeira. Dum brasão que porventura fosse criado deveria constar o tradicional  braço de Tiradentes como seu principal elemento, por se tratar de símbolo que já se encontra incorporado em nossa cultura. Ignorá-lo constitui grave ofensa ao patrimônio cultural, conflitando com o desejo de preservação da história da cidade, de sua origem, tradições, costumes e respeito à memória dos principais vultos (Lei Orgânica do Município de Barbacena, Art. 182, § 5º).

[1] Diário da Assembleia Nacional Constituinte – Ano I – nº 70, 3 de junho de 1987, p. 168, disponível em: http://www.senado.leg.br/publicacoes/anais/constituinte/N005.pdf

[2] Publicado no Jornal A Folha – Edição 4 – 05/02/1893 – p. 5, disponível no site do Arquivo Público Mineiro

 

[3] SAVASSI, Altair. Barbacena 200 anos, p. 193.

[4] REALE, Miguel. Teoria Tridimensional do Direito – situação atual. São Paulo: Saraiva, 1994, 5.ª ed., p. 118

[5] https://estudioheraldico.blogspot.com/2009/04/brasao-e-bandeira-os-simbolos.html

[6] OLIVEIRA, Rodrigo Leonardo de Sousa. “Mão de Luva” e “Montanha”: bandoleiros e salteadores nos caminhos de Minas Gerais no século XVIII (Matas Gerais da Mantiqueira: 1755 1786). Dissertação disponível em: https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/2927.

[7] BARBOSA, Vera Lúcia Ermida Barbosa. De arraial do Bichinho a Vitoriano Veloso: a confeção artesanal das narrativas identitárias de um povoado nas Minas Gerais do Brasil.
http://hdl.handle.net/10316/87647

[8] ASSSIS. João Paulo Ferreira de. História do Município de Senhora dos Remédios. p. 31.

[9] A existência das normas constitucionais não escritas vem sendo constatada por nossos juristas, tendo sido estudada com profundidade pela Dra. Carolina Cardoso Guimaraes Lisboa, cuja tese se encontra disponível em https://teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2134/tde-29082013-082952/pt-br.php

[10] TJSP. Apelação Cível 0165641-36.2006.8.26.0000; Relator (a): Alves Bevilacqua; Órgão Julgador: 2ª Câmara de Direito Público; Foro de Marília – 5ª. Vara Cível; Data do Julgamento: 16/03/2010; Acórdão registrado sob o número 2899968 – Data de Registro: 09/04/2010.

[11] https://www.facebook.com/BarbacenaGov/posts/1198117910372384

Published in: on 6 de novembro de 2019 at 10:55 am  Deixe um comentário  

Sempre as chuvas

 

 

“(…) Não houve danos ao imóvel do século 18, de acordo com o chefe do escritório técnico do órgão federal em Tiradentes, Mário Ferrari. Ele disse que a firma responsável pelo trabalho já se comprometeu a remontar a estrutura para evitar que novos temporais provoquem o completo arruinamento da propriedade particular.
Preocupado com a situação, Ferrari ainda não sabe se a tenda, formada por alumínio e lona, semelhante às usadas em shows, será suficiente para proteger o patrimônio. “Se não der certo, temos que pensar num plano B. A cobertura se abriu devido às chuvas que atingiram a região entre terça e quarta-feira da semana passada”, apontou Ferrari. Moradores e defensores dos bens culturais de Barbacena temem que possa haver estragos, caso ocorra o mesmo com nova cápsula protetora”.

http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2013/03/05/interna_gerais,354649/fazenda-do-registro-velho-e-derrubada-pelas-chuvas.shtml

Caro leitor, se a cobertura foi adquirida pela bagatela de R$ 95 mil reais para proteger o imóvel das chuvas e se ela não resistiu à primeira chuva, a culpa seria da chuva?

Talvez a culpa seja da chuva porque o cargo do sucessor de São Pedro está vago. Quem sabe se o próximo Papa for brasileiro, as chuvas deixem de castigar o local e não destruam uma terceira cobertura.

Além das causas naturais, podemos também apontar duas hipóteses sobrenaturais para o desastre que foram as duas primeiras coberturas feitas na Fazenda do Registro Velho:

Hipótese A – O imóvel por ter pertencido à um inconfidente, foi amaldiçoado por Maria, a Louca. E dizem que maldição de Rainha pega!

Hipótese B – Por lá ter sido o cemitério que abrigou os primeiros moradores brancos de Barbacena (os índios já estavam por aqui) e hoje não há mais qualquer lembrança dos mortos, eles podem ter se revoltado.

E você leitor, tem alguma possível causa para o desastre das coberturas? Envie para o blog, a melhor hipótese ganhará um passeio na Fazenda do Registro Velho com direito a levar um pedaço de uma tricentenária parede de pau-a-pique na cabeça. Coisa rara!

Published in: on 5 de março de 2013 at 8:49 am  Comments (1)  

A resposta do IPHAN

 

“De acordo com o chefe do escritório do IPHAN de Tiradentes, Mário Antônio Ferrari Felisberto, já está sendo realizada uma investigação para conhecer as causas da queda da estrutura, que será totalmente desmontada. Mário Ferrari garantiu que o problema será solucionado e a estrutura será refeita o mais breve possível, em função do período de chuvas.
O chefe do IPHAN explicou que não houve danos na estrutura do imóvel e não soube ainda precisar o tempo necessário para refazer a obra”.

Fonte: http://barbacenaonline.com.br/noticias.php?c=10362&inf=11

Published in: on 4 de março de 2013 at 9:21 am  Deixe um comentário  

Circo dos horrores se repete

 

 

Estrutura que custou R$ 95 mil dos cofres públicos federais não resiste à primeira chuva. Somado com a outra estrutura que custou em torno de R$ 50 mil, já foram gastos quase R$ 150 mil para nada! Causa estranheza que até hoje as autoridades competentes não exigiram a devolução do dinheiro desperdiçado com a primeira estrutura. Será que também vão continuar inertes? Dinheiro público deve ser capim! Revoltante e vergonhoso!

 

156399_304417233018299_1058760125_n 69686_304417113018311_44742693_n
385799_304416829685006_908980009_n 406280_304416749685014_1534375279_n
549825_304416726351683_502875331_n 155932_304416709685018_349915458_n
285437_304416679685021_792762911_n 575027_304416656351690_1898872028_n
Published in: on 1 de março de 2013 at 9:30 am  Deixe um comentário  

Cobertura da Fazenda do Registro Velho é concluída

 

Diferente daquele “circo de horrores”  – primeira cobertura feita Fazenda do Registro Velho – que não aguentou uma chuva, esta parece que vai dar conta do recado, pelo menos durante algum tempo. Pena que veio tarde, mas como já diz o adágio popular, antes tarde do que nunca. Vale lembrar que isto é apenas um paliativo para conter o processo de degradação. Esperamos que o provisório não seja transformado em definitivo e que a União Federal/IPHAN não se esqueçam deste relevante patrimônio cultural nação. Agora que já deram este primeiro passo, esperamos que incluam em seus orçamentos a reconstrução do local.

 

 

 

Crédito das fotos: Sérgio Ayres

Published in: on 21 de fevereiro de 2013 at 9:33 am  Deixe um comentário  

IPHAN resolve investir na fazenda

Oficio-IPHAN-cobertura

Published in: on 14 de janeiro de 2013 at 3:57 pm  Deixe um comentário  

Justiça concede nova liminar

Justiça exige proteção para fazenda tombada na Estrada Real

Gustavo Werneck

Publicação: 23/12/2012 06:00 Atualização: 23/12/2012 07:46

Proteção para a Fazenda do Registro Velho, considerada a mais antiga do Caminho Novo da Estrada Real e monumento importante de Barbacena, na Região Central de Minas. Em ação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), a Justiça determinou, por meio de liminar, que a prefeitura local faça, no prazo de cinco dias, sob pena de multa, o escoramento do imóvel e coloque lonas sobre ele. A decisão é da 3ª Vara Cível da comarca de Barbacena.

Segundo a promotora de Justiça Elissa Lourenço Xavier, autora da ação junto com o coordenador das Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico (CPPC), Marcos Paulo de Souza Miranda, os serviços feitos pela municipalidade, em 2010, para proteger o patrimônio das chuvas, não foram adequados. “A cobertura se encontra muito degradada, sendo necessário, portanto, fazer uma nova para a construção não ruir”, disse Elissa. 

A propriedade particular fica perto do limite com o distrito de Sá Fortes, município de Antônio Carlos, e é tombada, desde 2002, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) , em 1993, pelo município de Barbacena. Segundo Marcos Paulo, o Iphan já fez a licitação da cobertura com estrutura metálica, a qual só deverá ser implantada em março do ano que vem. 

“As paredes são de pau a pique e adobe e, se as medidas requeridas na cautelar não forem adotadas, é possível que o imóvel venha a ruir completamente nesse período chuvoso. Por isso, acionamos o Poder Judiciário, depois que a prefeitura se recusou a executar as obrigações alegando que não tem mão de obra especializada para isso. Ficou acertado que o Iphan vai elaborar o projeto de restauro em 2013, o que poderá salvar o imóvel do desaparecimento”, disse Marcos Paulo, lembrando que o processo de restauração está estimado em R$ 4 milhões.

O Caminho Novo da Estrada Real começou a operar oficialmente por volta de 1725, com autorização da Coroa Portuguesa, para garantir mais rapidez e segurança no transporte do ouro e diamante, entre Ouro Preto e Rio de Janeiro. Estudos mostram que o primeiro proprietário das terras do Registro Velho foi Garcia Rodrigues Paes, em 1738, filho do bandeirante paulista Fernão Dias Paes Leme (1608-1681). Garcia teria iniciado a picada na mata que originou o Caminho Novo. Em meados do século 18, a fazenda se tornou residência do inconfidente padre Manuel Rodrigues da Costa (1754-1844), filho do coronel de Cavalaria de Minas Manuel Rodrigues da Costa, que exercia seu posto em meados do século 18.

Revolução de 1842

 

 

De acordo com o dossiê municipal de tombamento, em 1702 foi construída, no local, uma capela dedicada a Nossa Senhora do Pilar e, tempos depois, por escritura pública, foi instituído por Manuel de Sá Figueiredo o patrimônio da capela, que serviu de matriz até 1743, ano do início das obras da igreja nova. A Fazenda do Registro Velho, segundo os historiadores, desempenhou papel importante na Revolução Liberal de 1842, pois dali saíra, em junho daquele ano, o grupo de Teófilo Otoni (1807-1869) para lutar contra as tropas de Luís Alves de Lima e Silva, o duque de Caxias (1803-1880).

Published in: on 23 de dezembro de 2012 at 8:40 pm  Comments (1)  

Promotoria realiza nova reunião

 

 

Por iniciativa do Ilmo. Dr. Marcos Paulo de Souza Miranda, coordenador da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Histórico, Cultural e Turístico do Estado de Minas Gerais, foi realizado no dia 28 de novembro de 2012 mais uma reunião a respeito da Fazenda do Registro Velho, “em virtude das últimas informações sobre o estado atual do imóvel”. Na oportunidade, o Município de Barbacena assumiu os seguintes compromissos:
1) Até as 17horas do dia 03/12/2012, “manifestar-se-à a respeito das medidas que serão adotadas emergencialmente para evitar a continuidade da degradação do imóvel, com cronograma de execução, ficando esclarecido que tais medidas deverão ser implementadas o mais rapidamente possível, vez que a possível contratação da cobertura definitiva pelo IPHAN ainda demandará dois meses e meio”.
2) Até o dia 07/12/2012, remeter à Promotoria “informação a respeito do recebimento, em doação, da sede da Fazenda do Registro Velho”.
Como Natal está chegando, para quem acredita no Papai Noel, vai que realmente a magia da época realize o improvável.

Clique aqui para ler a ata

Obs.: Fotos de autoria desconhecida e recebidas por e-mail enviado por Edelfina Guimarães do Ministério Público de Minas Gerais.

Published in: on 3 de dezembro de 2012 at 10:33 am  Deixe um comentário  

Déficit cultural

 

O déficit vivenciado pela Cultura não é só na divulgação do saber, o prejuízo também é material e mensurável em números. Eis a cifra: R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais), é o que estimamos que o Município de Barbacena deixou de repassar para o Fundo Municipal de Cultura (FMC) somente nos últimos cinco anos. Se o FMC contasse com dinheiro em caixa, provavelmente a Fazenda do Registro Velho não estaria em ruínas. E para que a história não se repita, estamos mobilizados para que o próximo Governo Municipal pelo menos cumpra as leis. Abaixo reproduzo a matéria que saiu no Jornal de Sábado do dia 15/09/2012 (Ano XX, Edição nº 036/2012).

 

Matéria - Jornal de Sábado - Protesta pela Cultura

Published in: on 17 de setembro de 2012 at 11:27 am  Deixe um comentário  

Interposto recurso

 

Foi interposto o recurso de apelação contra a sentença que extinguiu a ação popular movida contra a União Federal, para que fosse restaurada a Fazenda do Registro Velho.

Conforme sustentamos na apelação, as medidas adotadas pelo Ministério Público não estão sendo suficientes para conter o processo de degradação da Fazenda do Registro Velho.

No mérito, apesar da enorme cultura do magistrado, discordamos da decisão prolatada, por uma simples razão: há pedido implícito de cunho declaratório, sendo o pedido de obrigação de fazer (restauração), de natureza subsidiária, conforme previsto na Lei de Ação Popular

Apesar de não ter sido formulado expressamente nenhum pedido de cunho declaratório, decorre da petição inicial que um dos objetos da ação é declarar ilegal a conduta omissa da União Federal em não cuidar deste patrimônio, sendo que, neste caso, a consequência lógica é sua obrigação de restaurar este importante bem.

Ao formular o pedido de obrigação de fazer (restaurar o bem), temos que se encontrava implícito o pedido para se declarar ilegal a conduta omissiva da União Federal.

É firme o entendimento do Superior Tribunal de Justiça no sentido de que “o pedido feito com a instauração da demanda emana de interpretação lógico-sistemática da petição inicial, não podendo ser restringido somente ao capítulo especial que contenha a denominação "dos pedidos", devendo ser levados em consideração, portanto, todos os requerimentos feitos ao longo da peça inaugural, ainda que implícitos (STJ – AgRg nos EDcl no REsp 805265 / AL – DJe 21/09/2010).

E como não há dúvidas de que a ação popular poderá ser manejada na hipótese de conduta omissiva do Poder Público quando se trata de Patrimônio Histórico, pleiteamos a reforma da sentença.

O caso será apreciado pelo Tribunal Regional Federal da Primeira Região (sabe-se lá quando!).

Published in: on 10 de setembro de 2012 at 11:09 am  Deixe um comentário